Brasil garantiu vaga na semifinal nos pênaltis e espera vencedor de Argentina e Venezuela. “Não sei quando errei”, diz treinador, relativizando falhas na finalização ao estado do campo

Tite não procurou desculpas após o 0 a 0 no tempo regulamentar contra o Paraguai, na noite desta quinta-feira, na Arena do Grêmio. Porém, após a classificação nos pênaltis (4 a 3), o treinador não poupou críticas ao gramado.

Durante a entrevista coletiva, o treinador destacou a dificuldade para combinar jogadas com a bola no chão e avaliou a situação como “absurda”.

– É possível (melhorar). Jogadas de combinações são possíveis. Os adversários procuram anular, mas é possível. É possível as combinações quando tiver gramado bom. Todos atletas me cobraram.

É absurdo, em alto nível, ter um campo com tamanha dificuldade para tocar. A bola entra no pivô, o cara tem que dar três toques para tocar. É absurdo. Alto nível não consegue em qualquer lugar. Sem justificar nada. Estou falando do espetáculo, é sempre em dois, três tempos – disparou Tite.

Tite fez duras críticas ao gramado da Arena do Grêmio — Foto: MARCELO OLIVEIRA/AM PRESS & IMAGES/ESTADÃO CONTEÚDO

Tite fez duras críticas ao gramado da Arena do Grêmio — Foto: MARCELO OLIVEIRA/AM PRESS & IMAGES/ESTADÃO CONTEÚDO

Mesmo sem escolher adversário, Tite não fugiu da pergunta sobre a seleção argentina, que busca a classificação contra a Venezuela, nesta sexta, às 16h (de Brasília), no Maracanã. Para o treinador, o desafio é a adaptação.

– Qualidade técnica individual muito grande. Como desafio de todas as seleções que têm para adaptar quando tem o melhor do mundo. Messi é inquestionável.

Garantida na semifinal, a Seleção aguarda o resultado de Argentina e Venezuela, nesta sexta, às 16h (de Brasília), no Maracanã. O duelo por uma vaga na final da Copa América é na terça-feira, às 21h30, no Mineirão.

VEJA OUTROS TRECHOS DA COLETIVA:

COMO USAR O COUTINHO?

– Mudou muito a mecânica da equipe. Hoje tem jogadores de lado de campo, Willian, David Neres com essa virtude. Éverton. Jogadores centrais de articulação. Quando a bola não chega nos homens da frente, segundo tempo chegou mais… É uma bola que entra para eles, eles decidem. Estava com dificuldade de essa bola chegar, para que os pontas recebessem em melhores condições de enfrentamento. Mas daqui a pouco, uma ele decide. Lembro que eu tinha o Gil Baiano que foi campeão comigo no Caxias, e eu sabia que se entrassem três bolas pra ele, uma ele ia decidir.

OS 90 MINUTOS

– O primeiro tempo foi de marcação muito forte. Quando acelera demais, naturalmente perde ritmo e cai. Queria que mantivéssemos o ritmo com número maior de acerto de passes, mesmo com esse gramado, para botar volume. Quando a gente conseguiu uma saída melhor de trás, eles estavam liberando os nossos dois zagueiros. Aí a orientação, prende Allan. Para que chegasse melhor para Coutinho, para Firmino, começa a criar mais. Deu o lance do pênalti, que foi fora, e momento da expulsão. Aí o que faz? Tem que tirar vantagem de alguma forma. Quem fica de ponta aberto, passava a ser Dani, para ter Gabriel com área. Não precisa ter o Dani lá se ele é construtor. Posso ter jogador de velocidade, aí Willian para trazer Gabriel para dentro. Depois, nesse mesmo critério para o Paquetá.

Brasil Arena festa Copa América — Foto: Wesley Santos/Agência PressDigital

Brasil Arena festa Copa América — Foto: Wesley Santos/Agência PressDigital

CORRIA RISCO SE FOSSE ELIMINADO?

– Quando técnico assume, é normal exposição e desgaste. É inevitável. Fica exposto, é da atividade. Importante é trabalhar e ficar em paz. Eu pedi, sendo gaúcho, pedi um carinho. Talvez tenha ajudado e também ao time. Mas, o Ferguson fala, você controla variáveis, mas isso acaba não te assegurando o resultado. Corremos o risco. Foi no pau, deu do lado, 20 e tantas finalizações, algumas precisas, mais outras bloqueadas. É uma situação que cobrávamos bastante: nós estamos errados, nós temos que bloquear. É da vida, da atividade.

SAIRIA DA SELEÇÃO SE PERDESSE?

– Se eu não tivesse vencido o campeonato no Veranópolis, eu já teria parado lá atrás. Obrigado, Veranópolis. Se eu não tivesse tido oportunidade no Caxias… se eu não tivesse vencido no Grêmio, não teria me aberto as portas. Se eu não tivesse seguido depois da eliminação do Tolima, eu não seria campeão mundial com o Corinthians. Se, se… é condicional.

MAIS GRAMADO

– A gente bate pelada, às vezes em gramado sintético, é rápido, a gente brinca. Vi declaração do Renato também a esse respeito. É inconcebível eu vir na segunda-feira aqui, olhar para o gramado, ver que tem cinco pessoas trabalhando, uma delas de folga, vem na terça-feira, das mesmas cinco, nós vimos. Tudo prejudicado. Nos cobrem acerto de passe e finalização. É um direito, e o técnico tem que vir e responder. Atleta é cobrado por mim. Me deem condições de campo e façam gramados melhores executados para termos uma noção melhor. Porque não sei quando errei. Ali estava bravo. Não vou falar mais sobre isso.

SAÍDA DE FILIPE LUÍS

– Filipe (Luís) teve desconforto (dores na posterior da coxa esquerda), mas ele estava com desconforto. Entrada de todos, tem feito diferença de todos, muito difícil ficar fora. Tem tido oportunidades. Fica enaltecida o pessoal que tem entrado.

Fonte: Globo Esporte

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui